segunda-feira, 30 de agosto de 2010

GABRIELA - O Labirinto Particular de Lysa - Parte 3

Mais uns três outros beijos como aquele se fizeram presentes naquela noite. O último, diga-se de passagem, foi Lysa quem sugeriu – para o aumento das esperanças de Gabriela, que, em diversos momentos, pensou em abrir o jogo de vez com a amiga. Mas não abriu. Lysa estava “alta” demais e por vezes abriu a frente do vestido. “A menina da roça está se libertando”, pensava Bruna.

No final da festa, já com a pista vazia e o DJ tocando quase que exclusivamente para as quatro meninas, Lysa pede licença ao grupo e vai de encontro a um rapaz, que a espera recostado em uma das pilastras da casa. Gabriela observa a atitude de Lysa, esboça uma reação, mas é impedida por Bruna.

- Chega de dar bandeira, Gabriela! – disse Bruna – Vamos ver qual é a dela, relaxe!

Gabriela, mesmo morrendo de vontade de enfiar a mão na cara do rapaz, atende ao pedido da amiga e apenas observa.

Lysa trajava um vestido branco que valorizava um par de coxas banhado de suor, torneado e reluzente. O rapaz dizia algo enquanto Lysa sugava um blue hawaii. Não demorou muito para que os lábios de ambos se encontrassem num beijo sem limites. Aquela pilastra apoiava agora um casal incendiário. Lysa, nitidamente bêbada, brincava com os botões da camisa do rapaz; ensaiava uma transa que, por conta de Gabriela, não ocorreria.

- Volte aqui, Gabriela! – disse Bruna tarde demais.

Gabriela chegou até o casal e puxou Lysa pelo braço e:

- Lysa, a gente está indo embora. Vamos?

- Massss já?

- Já, Lysa. Vamos?

- Massss eu tenho que pegar o... o... o telefone desse cara! Ele beija beeeeeeeem...

A mistura de bebidas mostrava o seu efeito na inexperiente Lysa.

- OK, pegue o telefone e vamos.

* * *
Para a sorte das amigas, Joyce dirigia e, como bebera pouco naquela noite, se dispôs a deixar cada uma das meninas em suas casas. No carro, Bruna no banco carona; Gabriela e Lysa no banco traseiro.

- Vocês são fodassss! – dizia Lysa – Aquele lance da gente se beijaaaar funcionou meeeeeeesmo, hein?! Que garoto gostoso que eu pesquei!

- OK, Lysa! OK! – dizia Gabriela – Você “pescou” um garoto! Pronto! Agora fique quieta, pelo amor de Deus!

- Gabriela! – dizia Bruna a fim de reprimir a amiga.

- Sabe o que é, Bruuuuuuna? – dizia Lysa – É que Gabriela deve estar com inveja, porque não pessssssscou ninguém!

Bruna e Joyce riam da situação, mas Gabriela, longe disso, não achava a menor graça.

Analisando o saldo da noite, Gabriela concluía que não saíra tão por baixo assim. Embora tivesse testemunhado uma excitante entrega de sua tara morena àquele rapaz, conseguira arrancar de Lysa beijos que por muitos dias não sairiam de sua memória. Mas o que Gabriela não sabia era que a noite ainda não havia terminado e aquele saldo poderia ser ainda mais positivo.

- Bruna – dizia Gabriela –, não quero ir para casa! Não quero olhar na cara da minha mãe!

- Por quê?

- Outro dia eu te explico.

- Bem, eu vou dormir na casa da Joyce, e...

- Não, tudo bem. Não quero atrapalhar.

- Fica na casa da Lysa!

- Na minha caaaasa? – dizia Lysa – Pode ser, pode ser...

- Posso dormir na sua casa, Lysa? Mesmo? – dizia Gabriela.

- Claro, porra!

- Ela precisa de ajuda mesmo, Gabriela – dizia Joyce.

Conforme combinado, Joyce deixava Gabriela e Lysa no apartamento da última.

Já no apartamento, Gabriela tentava convencer Lysa a ir para o chuveiro.

- Lysa, vai te fazer bem! Um banho gelado!

- Massss eu estou bem, cara!

- Não está! E está suada feito uma porca! Não creio que dormirá assim!

Tarde demais. Lysa já havia desabado no sofá da sala e, com as pernas e os braços abertos, parecia já entregue aos domínios de Morfeu.

Gabriela vai até a cozinha e bebe dois copos d’água. Observa os bilhetes presos por imãs na porta da geladeira – a maioria deles está relacionada a afazeres da faculdade. Algumas fotos dos pais de Lysa também estão lá, o que faz com que Gabriela se imagine, por alguns instantes, sendo parte de uma família normal.

De volta à sala, Gabriela se lembra de uma história que sua mãe sempre contava, a da morte de um cantor de rock, o Bon Scott, que acabou afogado por seu próprio vômito após um excesso alcoólico. Com medo, posicionou o corpo de Lysa de forma a evitar tal tragédia. Pensou em levá-la para a cama, mas a amiga se encontrava em um sono profundo demais; desistiu.

Ainda com as pernas abertas, Lysa deixava a calcinha à mostra, para loucura de Gabriela, que, a princípio, se julgou incapaz de se aproveitar da amiga naquele estado. Mas aquela vontade de despi-la com a língua lhe tomava a mente.

- Preciso de um banho gelado! Preciso! – dizia a si mesma Gabriela.

A água gelada caía sobre o corpo quente de Gabriela. No pensamento, apenas a calcinha de Lysa. Gabriela também bebera bastante naquela noite, o que lhe causava certa mistura nos seus sentimentos e lembranças. Os beijos de Lysa, a música alta, os beijos de Joyce e Bruna... tudo lhe vinha ao mesmo tempo. Resultado: uma masturbação psicodélica e demorada.

Gabriela saía do banho sem saber o que vestir. Não havia condição de se dormir com aquelas peças ensopadas de suor, fedendo a cigarro. Como estava cansada demais para procurar nas coisas de Lysa algo confortável, resolveu que dormiria nua mesmo.

Gabriela deixaria a amiga no sofá, por questão de segurança – “Meio que sentada ela não corre mesmo risco que o Bon Scott”, pensava – e dormiria na cama de Lysa. Mas, ao passar pela sala e avistar as pernas da amiga na mesma posição, não se conteve; foi até lá, se agachou frente ao sofá e, lentamente, ia levando a mão de encontro àquilo que tanto a torturava.

Numa luta interna entre o certo e o errado, Gabriela se viu vencida e acabou tocando rapidamente a parte íntima de Lysa. Recuou, pensou, mas voltou sua mão; dessa vez revelando a intimidade da amiga levando o elástico daquela calcinha para o lado. Mil coisas passaram pela cabeça de Gabriela, que, após alguns segundos boquiabertos de pura contemplação, se levantou e foi dormir tomada de tesão; o mais avassalador que já sentira. “O saldo foi melhor que o esperado”, pensava.

[Continua]

7 comentários:

Kayo Medeiros disse...

MUUUUUUAHAHAHAHAHAHAAHA!

Muito bom! Eu prefiro esses contos pervertidos aos bonitinhos! ^^

=D

Vanessa Sagossi disse...

Mas onde será que isso vai parar?

FYC disse...

meu deus!
eu semrpe fico :O com a gabriela! hahahahahha

Fabiana disse...

mas onde será que isso vai parar? [2]

Camys disse...

Adoro a Gabriela, ela é FO-DA DE-MA-IS! E a Bruna e a Joyce são umas fofas e maduras.

E a Lysa, será que sentiu algo,mesmo que um pequeno prazer em meio ao sono ébrio, mesmo dormindo completamente chapada?

Luciano Freitas disse...

Camys, isso a gente só vai saber no capítulo que vem huauha

Aninha disse...

muito bom!
aguardo a continuação!
bjs.