segunda-feira, 15 de março de 2010

ENCANTO (Parte 3)

Matheus esperava por Luana num misto de medo e ansiedade. Mal conseguia se manter sentado naquele sofá, é verdade. Queria, com a vontade de mil apaixonados, rever o semblante daquela menina. Nas mãos, um presente resultante de uma aventura, de um risco até mesmo de perder sua vaga de estagiário. Mas quem se importaria com isso naquele momento?

Mais cedo não pensara; agira unicamente com o coração. Mas agora, passado um tempo, refletia sobre sua atitude e pensava no quão bravo Marcos poderia ficar se soubesse de tamanha audácia. Durante aquele momento de angústia, alguns segundos de esperança lhe tocavam o peito ao avistar pela janela a quantidade enorme de árvores que sombreava a rua em frente.

Uns passos eram ouvidos por Matheus. E eles vinham da escada. Era Luana que descia, mas antes dela, chegava a Matheus o cheiro de um cabelo bem lavado. A pele de Luana, sempre muito bem cuidada, espalhava pela casa um cheiro de banho e, ainda mais que isso: de paixão ensolarada.

Na medida em que Luana se aproximava, os cheiros e sentidos agiam como uma espécie de encanto sobre Matheus. Aquele dia, pouco antes do Natal, no qual ambos se viram pela primeira (e única) vez, vinha à mente do rapaz com uma riqueza de detalhes absurda.

Gaguejou:

- Lu... Luana.

- Matheus.– dizia Luana sob uma blusa rosa pink e uma bermuda jeans. Nos pés, as sandálias de borracha de sempre – Tudo bom?

- Melhor agora. Eu... Eu te trouxe um presente. Eu... Eu espero que não repare...

- Presente? Mas...

- Por favor, aceite, Luana!

Luana recebia o embrulho, mas não o abria.

- Abra, por favor – insistia Matheus.

- OK.

Luana abria o presente e:

- Mas... Como sabes a marca do meu perfume? Quem te contou?

- É uma história engraçada, que, assim que tiver uma oportunidade, eu te conto.

- Obrigada, Matheus. Eu nem sei o que dizer. Eu...

Matheus chegou a dar um passo à frente, na intenção de alcançar os lábios de Luana, mas foi atingido no peito por um passo para trás dado pela jovem. Sem graça, o rapaz enfiou a mão no bolso e sorriu.

- Papai sabe que está aqui? – perguntava Luana.

- Não. Concorde que eu não poderia chegar para o Marcos e dizer “sairei mais cedo para presentear sua filha com um perfume”.

- Você tem razão, mas acontece que não tenho o costume de fazer nada longe dos olhos de papai. Ele saberá, mais cedo ou mais tarde, que esteve aqui. Como explicarei o perfume?

- Ora, Luana, uma mentirinha de vez em quando não faz mal a ninguém, vai.

- Olha, Matheus, eu não sou mais criança, nem você. Nós dois sabemos o motivo que nos levou a estarmos aqui de frente um para o outro. E se esse motivo tem realmente valor, não será segredo para meus pais, entende?

Matheus tremia por dentro “Que menina”, pensava.

- Então você quer dizer que você sabe sobre o que sinto por você, Luana?

- Posso não ter noção da profundidade de seus sentimentos, Matheus, mas, sim, claro que sei o que sentes.

“Que menina”, pensava novamente Matheus.

- Sinto encanto, Luana! Mas e você? O que sente?

- Ora, Matheus, eu mal o conheço...

- Mas o que sentes por este que mal conhece?

- ...

- Diga!

- Não sei. Não sei, ainda...

Silêncio.

- OK – dizia Matheus a olhar o relógio – Eu vou indo, Luana. Não quero que seu pai saiba que estive aqui. Não com ele cruzando aquela porta. Darei um tempo a ti. Mas se quer mesmo saber sobre a profundidade de meus sentimentos, pense no mar. Beijo.

Luana, muda e com o presente sobre os braços, assiste Matheus seguindo sozinho até o portão e, de lá, lhe mandar um beijo. O rapaz passou tão depressa que, na cozinha, nem Celeste o viu. A jovem permaneceu de pé a pensar se realmente precisaria de um tempo para entender o que sentia por Matheus. Um sorriso discreto se faz presente no cantinho da boca.

[Continua]

Foto da Capa: Ana Claudia Temerozo
Mais contos de Luana
aqui.

5 comentários:

Aninha disse...

to gostando!
fico no aguardo da continuação..

bjs

Vanessa Sagossi disse...

Ahhhhh, está vendo como aos poucos esse matheus não se mostra nada, nada confiável.
Luciano, não deixa a Luana se apaixonar por ele. Isso é maldade!!!

Luciano Freitas disse...

Hahahaha, Vanessa!
Acho que já escrevi tanto Luana que não sou eu mais quem guio os sentimentos dessa menina... Juro! Vamos ver no que vai dar, porque nem eu mais sei...rs

:)

FYC disse...

aaaaaaai que nervoso!
ele é fofo, mas um fofo mais danadinha! hahahahahahahaa

to confusaaaaaaaaaaaa!
adorei!

beijooo

Thamyris Fajardo disse...

não costumo comentar aqui...mas dessa vez, vou te dizer que o tal do matheus me tirou do sério, rs. Não sei se gosto dele, se não...hahaha

ameii Lu!

beijoss!