quarta-feira, 6 de agosto de 2008

DANIELA II - O Presente Que Me Fez Pensar

Naquela manhã eu parecia tão leve. Uma entrevista de emprego agendada e um encontro com minha então ex-mulher Renata. Porém, o rosto de Daniela ficava marcado desde a noite anterior a fim de fazer um contra-peso e assim me manter emocionalmente equilibrado. Eu estava feliz e esperançoso por um lado e atraído e confuso por outro. Àquela altura do meu declive, preferi agarrar-me primeiro naquilo que por muitos anos vinha dando certo, embora Renata tivesse com sua saída de casa me mostrado um lado bem obscuro de sua pessoa.

O velho Leandro, funcionário exemplar das Organizações Loureiro estava pronto para sua entrevista. Pronto para mostrar toda sua experiência e capacidade no mundo dos negócios. Era assim que eu me sentia naquela manhã. Leve e pronto. Eu não queria telefonar de volta para Renata. Esperava que ela me ligasse. Não queria parecer o idiota sentimental que na verdade eu era. Renata tinha de pagar um pouco por sua atitude infantil e traidora. Abandonar-me num momento como aquele era uma traição.

Chegando ao escritório para a entrevista, me deparava com uma fila de mais ou menos cinco engravatados na recepção. Jovens e anos luz à minha frente em termos de aparência, os concorrentes à vaga exalavam dinamismo. Eu também exalava o mesmo dinamismo, mas com um pouco de dificuldade devido à idade e ao excesso de peso. Para ser sincero, eu me sentia uma velha tartaruga gorda diante daqueles garotos. Minha auto-estima despencava, mas algo me fazia não desistir. Eu devia estar ainda com uma raspa no meu pote de entusiasmo da noite anterior. Foram fortes emoções.

Um a um era chamado para sua respectiva entrevista. Eu era o último. Sempre gostava de ser o último a fazer as coisas. Isso me dava uma sensação de uma fênix que ressurge das cinzas ou de um herói de filme americano, que aparece sempre no final causando toda uma reviravolta e se dando bem. É. De fato eu procurava não pensar que os últimos poderiam ser realmente os últimos e apenas isso. Isso era sinal de confiança. Mais do que isso; de esperança. Esperança de que todos os outros concorrentes tivessem ido muito mal na entrevista e o meu simples sorriso já me abriria duas cabeças de vantagem.
- Sr. Leandro Teixeira de Mello.
- Sou eu.
Lógico. Somente eu ali na recepção.
- A Dra. Daniela está à sua espera.
- DANIELA?
- Sim. Algum problema, senhor?
- Não, não. Desculpe.
- Entre, por favor.
- Sim.
Eu estava tão ligado à noite anterior que o simples nome dela me fazia pensar que seria Daniela que me entrevistaria.

Eu abria a porta.
- Com licença...
- Fique à vontade, Leandro.
- DANIELA?
- Se assustou?
- Mas o que está acontecendo? Você trabalha aqui?
- Sim. Sou Gerente de Produção.
Bem que na noite anterior eu notava que os ganhos de Daniela deveriam ser realmente gordos, já que sua casa era enorme e os cuidados com sua beleza eram realmente levados a sério. Uma mulher com aquela idade, com aquela pele e com aquele corpo, só podia ser bem empregada.
- Ficou surpreso?
- Claro. Digo, não pelo cargo, mas por ser você aqui.
- Deixa eu lhe explicar o que houve. Ontem, quando esteve lá em casa, você me disse que estava desempregado etc. Quando você foi embora, liguei para minha secretária e dei seu número para que ela ligasse e encaixasse você nessa entrevista de hoje. Resolvi lhe fazer uma surpresa.
- Bem que achei estranho um recado como aquele em pleno domingo.
- Era para ser estranho mesmo.
- Muito obrigado.
- Por nada. Vamos ao que interessa? Deixe-me ver o seu currículo?
- Claro.

Não posso negar que naquele momento eu me sentia um pouco desconfortável. Se eu fosse admitido seria um dos subordinados de Daniela. Aquela mulher linda que me dera uma noite tão esperançosa ao meu coração passaria a ser minha gerente na manhã seguinte? Fiz bem em me animar com a volta de Renata. Daniela não seria a melhor escolha. Não nessas circunstâncias.

- Bem. Seu currículo é ótimo, Leandro. Bastante experiência. Muitos cursos.
- Muito obrigado.
- Olha. Cá entre nós. Você deu um banho naquela molecada.
- Imagina.
- Vamos ficar com você, mas não pense que foi porque você é meu amigo.
- Sei que não.
- E é bom que não saia por aqui espalhando sobre nossa amizade. Qualquer proteção por aqui é altamente condenada.
- Pode ficar tranqüila, Dani.
- Daniela aqui, Leandro, por favor.
- Como quiser, Daniela.
- Começa amanhã. OK?
- Com muito prazer.
- Amanhã eu lhe apresento seus futuros colegas, sua sala etc.
- Como preferir.
- Então, até amanhã.
- Até. Passar bem.
Eu saía daquela sala sem que minha ficha tivesse caído por completa. Aquela fofa que eu resgatei na fita antiga de Cássio seria a partir do dia seguinte a minha gerente. Eu também me encontrava totalmente abobalhado e impressionado com tamanho profissionalismo da parte de Daniela. Confesso que me sentia um daqueles moleques antes entrevistados.

Pela rua, eu caminhava cada vez mais leve. À medida que eu ia tentando esquecer a situação complicada que eu começava a criar com Daniela, minhas pernas passavam a me corresponder com mais precisão. Já não sentia tanto os meus 105kg. Eu estava realmente leve com a idéia de que estava novamente empregado. Minha reserva na poupança já me pedia piedade fazia uns meses. O emprego chegava na hora certa. Ou melhor, a Daniela, por mais que fosse complicado, me aparecia na hora certa. Ou errada?

Chegava em casa e na secretária eletrônica mais um recado de Renata. “Amor. Você ouviu o meu recado? Preciso falar com você. Eu quero voltar para casa. Eu te amo”. Eu pensava se ligaria de volta ou se a faria esperar mais um pouco. Renata esperaria mais um pouco.

***
Arte usada na capa: "Loira" de Rono Figueiredo.

4 comentários:

Fabiana disse...

vai fazer esperar!
HUMPF!

Breno Lucano disse...

É notório que os artistas possuem sensibilidade mais aguçada. Quando tal sensibilidade se transforma em linhas, temos um belo trabalho.

Stanley Marques disse...

Cara, brilhante texto. Você escreveu um texto magnífico, leve, gosto de ler. Confesso que quando cheguei vi o tamanho da postagem deu-me uma preguiça, mas assim que começei a ler, fui envolvido.

convido você a conhecer o Antologia Racional
http://www.antologiaracional.com/
parceria?

Sabrina disse...

Aaah Luciano! Não acredito que vai me fazer esperar denovo!! Sabe q sou curiosa... vou aguardar anciosamente Daniela III, "O Futuro..." hehe! Como sempre, perfeito!! parabéns!