quinta-feira, 5 de março de 2009

VERDADES DE LUANA II

Após respirar um pouco, Luana contava à amiga o real motivo daquela fuga pelo muro da escola. Giovanna, antes mesmo de ouvir qualquer palavra, já se encontrava boquiaberta e com os olhos arregalados. Jamais esperara tal atitude de Luana. Fugir da escola? Nunca!

Luana não deixava nenhum detalhe escapar. Contava tudo! Sobre o Natal e sobre Gisele.
- Giovanna, tem algo de muito errado nessa história.
- Mas o quê?
- Gisele não me disse exatamente o que aconteceu naquele Natal, mas pelas dicas que ela deu, não foi nada bom. Quer dizer, nada bom para mim!
- Meu Deus, sabe o que eu estou pensando?
- O que, Giovanna?
- Seu ano letivo não será nada agradável com Gisele e Manoela juntas. Ainda mais depois dessa tapa que você acertou na Manoela. Menina, o que deu em você? Agressão?
- Sei lá, Giovanna. Acho que essa bofetada estava guardada há muito tempo. Estou morrendo de vergonha, mas...
- Posso imaginar. E o que você pensa em fazer agora?
- Não sei. Se a Manoela for à direção da escola eu posso ser expulsa.
- Será?
- Acho que sim. Papai. O que papai dirá? Meu Deus... Sinto que fiz uma grande besteira.
- Sinto muito, Luana, mas eu também acho.

Luana e Giovanna perderam horas sentadas naquela praça. Luana já estava confusa o bastante com toda aquela história de Gisele sobre Rômulo. E agora, precisava pensar no que fazer a respeito da agressão à Manoela.
- Giovanna, você acha mesmo que o Rômulo teria coragem de me enganar?
- Poxa, Luana, é você quem tem que saber, não?
- Sim, mas eu estou tão dividida. Não posso dar ouvidos à Gisele, mas, por outro lado, não posso acreditar cegamente em tudo o que Rômulo me disser. E se Gisele tiver razão? Meu Deus, que vergonha. Você precisava ver, Giovanna, como Gisele contava o fato à Manoela! Ela não tem noção alguma!
- Acha que o que aconteceu foi grave?
- Acho. Se algo aconteceu, foi grave, sim, amiga.
- Nossa. Tem noção do quê?
- Noção eu tenho, mas não quero acreditar, Giovanna.

Mais ou menos no horário de saída da escola, Luana e Giovanna seguiam cada uma para a sua casa, mas antes:
- Fique firme, Luana. Estarei por perto para qualquer coisa.
- Obrigada, Giovanna.
- Vamos entrar juntas amanhã?
- Sim, claro. Quem chegar primeiro, espera em frente ao portão da escola.
- OK!

* * *
Luana chegava em casa com os olhos enormes de tanto chorar pelo caminho. Celeste, a empregada, notava o rostinho de Luana e se espantava.
- Menina, o que houve? Você estava chorando?
- Ai, Celeste. Eu estou frita!
Luana desabava.
- Mas me diga o que aconteceu, Luana!

A menina, aos soluços, contava tudo à Celeste, que dividia a atenção com o almoço no fogo. Celeste fazia caras de espanto a cada frase de Luana. Na certa não esperava tantas atitudes modernas daquela tal de Gisele.
- Meu Deus, Luana!
- E tem mais, Celeste...
Luana contava a parte da agressão e da fuga pelo muro da escola.
- Não!
- Sim, Celeste. Não me pergunte de onde tive coragem para tudo isso, mas foi o que eu fiz.
- Mas Luana, você tem noção do que pode acontecer? Você pode ser...
- Expulsa do colégio. Eu sei disso. Mas foi mais forte que eu.
- Nossa! A escola entrará em contato com seus pais, Luana. Já pensou?
- Já. Por isso estou frita.

Luana subia para o seu quatro. Lá, encontrava Mimi, sua gatinha, a brincar com uma bolinha de borracha. Sentia, como em outros momentos difíceis, certa inveja daquele animal. Como seria bom se sua única preocupação fosse a de brincar como Mimi, pensava Luana, que ao ver o telefone, o pegava no impulso e discava para Rômulo.
- Alô!
- Oi Rômulo.
- Meu anjo! Tudo bom? Como foi seu primeiro dia de aula? O meu foi...
- Foi péssimo, Rômulo.
- O que houve?
- Antes de dizer o que houve, precisava ouvir uma coisa de você.
- O quê?
- Rômulo, me responda com a verdade! Promete que vai falar a verdade?
- Que história é essa, Luana?
- Promete? A verdade?
- OK. Prometo. O que foi?
- O que REALMENTE aconteceu naquele Natal, depois que eu fui embora da sua casa?
Rômulo gelava. Havia prometido a verdade, mas como falar a verdade? Aquela verdade? Sentia o coração pulsar acelerado, enquanto permanecia mudo diante de tal questionamento.
- Responde Rômulo, por favor.
Insistia Luana.
- Luana, primeiro me diga o porquê da pergunta.
- Não! Primeiro responda-a. Depois lhe digo todos os porquês que quiser.
- Bem, Luana. Eu posso aparecer na sua casa? Não queria conversar sobre isso pelo telefone.
- Então, pelo visto, algo de muito grave aconteceu! Não foi, Rômulo?
- Eu lhe explicarei tudo quando chegar aí. Pode ser?
- OK. Estarei lhe esperando.
- Eu te amo.
- Eu espero que sim, Rômulo, pois eu também te amo.

Luana desligava o telefone e desmoronava sobre a cama. Chorava. Tinha medo do que Rômulo teria a lhe dizer. Imagens embaraçadas vinham à mente: Gisele debochando, a vulgaridade de Manoela, o barulho daquela tapa... Com o pescoço e a frente de seu uniforme completamente cobertos de lágrimas, Luana ali ficava. Aos prantos e à espera das palavras duras de Rômulo. Mimi entristecia. Parecia sentir a dor de sua dona. A gatinha pulava na barriga de Luana, que a acariciava.

[Continua]

* * *
Foto da Capa: Ana Claudia Temerozo.
Mais histórias sobre Luana em
Luana, Duas, O Natal de Luana, Gisele e Janeiro Meu.

8 comentários:

Nathalia disse...

ai... tadinha! =(
to triste...

Fabiana disse...

tem gente q tem amiguinho invisível... a luana já virou sua filha invisível... rs

e afilhada de todo mundo q lê as "aventuras" dela

Aninha disse...

poxa sempre que a Luana esta bem, tem algo pra deixa-la triste =/

torço pra que ela fique bem.
tomare que dê td certo entre ela e o Rômulo! :)

bjos

Dayanna Louback; disse...

caraaca.. tá ficando boom
bastante suspense.. rsrs
adooro :P

C. disse...

Pouxa, coitada da Luana, triste aii!
Mas a história dela tá ficando cada vez melhor [apesar disso]

www.casadobesouro.blogspot.com

Livia Queiroz disse...

Aaaaaaaaaaaaaaaaaah tadinha da Luana.
Poxa n gosto qndo ela fik triste.
To indignada com a Manoela e Gisela ô duplinha mau caráter hein?
Aff

jαnα ¦D disse...

O Romulo é legal afinal...mas e Luana tá bem ferrada né! Com duas meninas pestes como aquelas estudando junto com ela...mee, que horror ''/

Abraços.
='-'=

C. disse...

Luciana, como sou seu fã, adoro o que você escreve no seu blog e o jeito que você escreve, além de compartilhar comigo a mesma paixão pelo 'anjo pornografico' e genial Nelson Rodrigues, não poderia deixar de indica-lo a mais um selo...
As regras e ele estão postandos no meu blog...Não esqueça de pega-los.

Notei q vc esta lendo 'Meu destino é pecar' do Nelson, eu ainda estou em 'A vida como ela é...' mas pretendo ler esse livro aii também.Boa a história? Na mesma altura dos assinados com o proprio nome dele?

www.casadobesouro.blogspot.com