quarta-feira, 11 de março de 2009

VERDADES DE LUANA IV

Durante toda aquela tarde, Luana apenas chorou e refletiu. Se já não bastasse todo aquele problema com o Rômulo, a diretora de sua escola ainda teria uma séria conversa com seus pais – logicamente sobre a agressão feita à Manoela. Tentava em vão anular um dos problemas de sua mente, mas eles martelavam forte fazendo-a, por vezes, sentir-se à beira da loucura. Luana precisava pensar numa maneira de sair de tamanha encrenca. Mas como?

Quando se dava conta, as luzes dos postes já iluminavam parcialmente o seu triste quarto. Aquela tarde já se despedira como quem diz “espero que de tudo certo, Luana” e uma noite de ventos fortes parecia já trazer soluções. Luana tinha uma relação interessante com o clima. Ao abrir a janela, dependendo do que a recebia – o sol, a chuva, os ventos... –, a menina tendia a meditar sobre suas questões mais íntimas. A brisa fria ondulava os cabelos de Luana; fazia-a fechar os olhos e penetrar-se no fundo de si mesma, na incansável busca da plena compreensão dos fatos.

Em breve, Marcos e Patrícia chegariam do trabalho. Celeste daria o recado da escola e...
- Celeste!
Dizia Luana ao chegar à cozinha em passos rápidos.
- Oi, minha filha, ainda choras?
- Já passa.
- Mas vejo que choras desde cedo, Luana!
- Bem, esquece isso. Você poderia me fazer um favor?
- Qual?
- Queria que não desse o recado da escola ao papai.
- Não posso fazer isso, Luana!
- Por favor, Celeste!
- Não! Seu pai não iria gostar nada disso, quando descobrisse!
- Mas é que eu preciso de tempo, Celeste! Quero resolver sozinha, entende?
- Ora, Luana – pausava um instante Celeste –, por que você não liga para a diretora e conversa você mesma com ela?
Luana pensava na ideia de Celeste e:
- Será?
- Custa tentar? Você sempre foi uma ótima aluna, Luana, o que não justifica a sua agressão, mas lhe dará créditos na hora de se explicar para a diretora, não acha?
- Acho que você tem razão, Celeste. Ligarei agora!
- Tomara que ainda a ache na escola.
- Sim! Muito obrigada, Celeste! Você é o meu anjo!

Luana saía em disparada até o telefone da sala; discava o número de sua escola e:
- Alô.
- Eu gostaria de falar com a Dra. Leda.
- Quem deseja?
- Diga que é a Luana. Sou aluna daí.
- Sei...
Dizia a secretária imaginando que seria a mesma Luana referente ao recado dado pela manhã.
- Ela ainda está na escola?
- Estava de saída. É importante?
- Muito!
- Espere.
Aqueles trinta segundos que Luana esperava pareciam trinta anos. Até que:
- Ela vai lhe atender.
- Obrigada.

- Pois não.
Dizia a diretora.
- Boa noite, Dra. Leda.
- Boa noite. Primeiramente: és a mesma Luana da confusão de hoje cedo?
- Sim, diretora. Eu...
- Minha filha, eu desejo conversar seriamente com os seus pais, não com você.
- Apenas me escute, Dra. Leda.
- OK. Seja breve, por favor.
- Eu sei que errei. Não deveria ter feito o que fiz. Nem a agressão e nem a fuga.
- Foi muito grave o que fez, Luana.
- Eu gostaria de, amanhã, logo pela manhã, conversar com a senhora. Por favor, poupe meus pais desse problema.
- Olha... – a diretora fazia uma breve pausa –
Eu estive vendo o seu histórico e constatei que você é uma das nossas melhores alunas. Conversei com alguns de seus professores do ano passado – que ficaram abismados com a sua atitude – e todos a elogiaram muito. Sinceramente eu não entendi o que houve. Devo lhe informar que a menina agredida já apresentou uma versão para o caso.
- Eu posso explicar tudo! Não quero que me dê razão. Apenas quero que entenda o que me levou a tal atitude.
- Tudo bem, Luana. Estarei lhe esperando na minha sala. Apareça durante o intervalo.
- Combinado, Dra. Leda. Muito obrigada!
- Espero que seja convincente. Caso contrário, seus pais serão chamados. OK?
- OK.

* * *
Marcos e Patrícia chegavam em casa e encontravam Celeste e Luana estampadas pela omissão. Pareciam esconder algo. Marcos percebia rapidamente. Conhecia Luana como ninguém. Os olhos inchados da menina a forçavam a confessar parte de toda aquela história.
- Terminou com o Rômulo? Mas o que foi que houve, minha filha?
Perguntava o pai.
- Ah, pai. Não quero entrar em detalhe, por favor. Apenas não deu certo. Só isso.
- Sei.
Dizia Marcos olhando para Patrícia, madrasta de Luana. O olhar dizia “depois converse com Luana, por favor”. Patrícia entendia e chegava até a menina com um gesto carinhoso que tinha: o de fazer cafuné. Dizia ao pé do ouvido:
- Vamos jantar e depois conversamos, como sempre, pode ser?
Luana balançava a cabeça dizendo “sim”.

[Continua]

* * *
Foto da Capa: Ana Claudia Temerozo.
Mais histórias sobre Luana em
Luana, Duas, O Natal de Luana, Gisele e Janeiro Meu.

12 comentários:

Nathalia disse...

aaai...
não gostei ndinha de saber que a MONSTRA da manoela ja deu sua versão para a diretora..

versão torta, igual a cara dela, aposto...

Fabiana disse...

tadinha... luana está chorandooo...

C. disse...

Eu ainda to lendo ' a vida como ela é...' to na metade, parei no carnaval, sabe como é né..Carnaval! uheuheehueue

E o que tá achando do 'Meu destino é pecar?'
To afim de ler este depois que terminar ' a vida como ela é...'


www.casadobesouro.blogspot.com

Aninha disse...

Luana é um pedaço de mim, é impressionante..

Livia Queiroz disse...

aaaaaaaaaaaah tomara q Dra. Leda entenda...

Tadinha da Lu...


p.s.: Esse cap foi mto curtinho!!!


rrs

bjoksssssssssss

kilder disse...

nossa...muito bacana o texto!!! é quase um roteiro de cinema, bom...foi essa a impressão que tive!!!!!
parabéns!!!

C. disse...

Considera 'Meu destino é pecar' a altura dos que ele escreveu como o nome proprio mesmo?
Pq 'Meu destino é pecar', 'o homem proibido', ele assinava como Suzana Flag,né???

Tá fazendo facul de que?

www.casadobesouro.blogspot.com

encantada.a disse...

eu vi seu fotolog, é de niteroi né?!
eu tbm..
passando aqui super raaapido, mas voltarei pra ler. :*
me add

encantada.a disse...

alguns são meus.
vi seu fotolog e percebi que
é de niteroi ;D

beijos

encantada.a disse...

fotolog. haha

www.fotolog.com/anne1987

:*

Lucas Moratelli disse...

Eita menina pra sofrer...

Gosto muito da Luana.

Seus contos sempre muito bons!

Esperando a continuação.
_

As aquarelas são minhas sim.
Obrigado pelo comentário.

Abraço.

Lucas Moratelli disse...

Ah, ótimo o background novo!